quinta-feira, 18 de março de 2010

Saudades eternas

Hoje ele completaria 71 anos.  E, infelizmente, me faz falta há quase 32 anos. Meu pai era uma pessoa muito querida. Uma de suas características mais citadas nas conversas em família era a de que ele era muito "paizão", muito família. Adorava os filhos. E não tenho a menor sombra de dúvidas de que também amaria seus netos.
Impossível mensurar em palavras a falta que ele me faz, não só a mim como a minha mãe e meus irmãos.
Pai, continuo te amando. Pra sempre.

2 comentários:

Nádia disse...

infelizmente como eu te entendo :(

Cléoson Barreto disse...

E felizmente tenho você comigo pra me entender!" :-)
:c******